segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Sufocada


Mireya Juárez Noriega


Sufocada de poema a voz!
No oceano relâmpago atroz!
Ah! Se a alma cantasse,
Se nossos sonhos elevasse...
De nada a vida quereis.
Ah! Grito mudo que não entendeis.
E, silenciosa, a realidade observa.
E, silencioso, o sonho preserva...
E nasce...
Nasce...
Renasce!

Imagem e Poema de
Ana Tapadas

3 comentários:

Ana Tapadas disse...

Obrigada, Rosa Brava.

Beijo e bom ano.

Ashera disse...

Se houvesse degraus na terra...

Se houvesse degraus na terra e tivesse anéis o céu,
eu subiria os degraus e aos anéis me prenderia.
No céu podia tecer uma nuvem toda negra.
E que nevasse, e chovesse, e houvesse luz nas montanhas,
e à porta do meu amor o ouro se acumulasse.

Beijei uma boca vermelha e a minha boca tingiu-se,
levei um lenço à boca e o lenço fez-se vermelho.
Fui lavá-lo na ribeira e a água tornou-se rubra,
e a fímbria do mar, e o meio do mar,
e vermelhas se volveram as asas da águia
que desceu para beber,
e metade do sol e a lua inteira se tornaram vermelhas.

Maldito seja quem atirou uma maçã para o outro mundo.
Uma maçã, uma mantilha de ouro e uma espada de prata.
Correram os rapazes à procura da espada,
e as raparigas correram à procura da mantilha,
e correram, correram as crianças à procura da maçã.

Herberto Helder

Bipede Implume disse...

Olá Rosa Brava
Obrigada pela visita no Com Calma. Venho encontrar um blog cheio de sensibilidade e, grande surpresa, um poema da Ana Tapadas, minha estimada amiga.
Voltarei, tenho a certeza.
Beijinhos
Isabel