sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Momentos...


Pintura de Üzeyir Lokman Çayci


Na sinfonia apetecida por entre as folhas que o vento desliza, o meu pensamento corre sereno, adivinhando a ternura do meu coração.
Pelos raios do sol encoberto pulsam nuvens azuis que bailam nos meus olhos.
Na calma da maré reencontro-me e nos seus braços me quero aquietar…

6 comentários:

Lumife disse...

O face tem-me impedido de visitar os blogs dos amigos. O tempo é pouco mas tenho de me organizar melhor.
Vim agora aqui passado algum tempo da minha resposta sobre o som e continuo sem ouvir nada.

heretico disse...

texto muito suave. e delicado. com seda pura...

beijo

Jaime A. disse...

De facto, um poema calmo, deslizante e... lindo. Finalmente, perde-se a inquietação por instantes.

Anónimo disse...

Gostei. Muito!

Manuel Peralta

Anónimo disse...

Olá Menina

Muito bom o Eternamente M. já estar com a janela aberta, fico feliz por si, vou pasando sempre que tenha um tempinho.

beij.


Tretas

Paula Raposo disse...

Nada como a calma maré...beijos.