quinta-feira, 31 de julho de 2008

Palavras ridículas…



O Poeta escrevia:
“todas as cartas de amor são ridículas”…


E o riso morre no coração
que não derrama amor
dimensão infinita do sonho
contendo toda a grandeza
de um céu invadido de estrelas
no espelho que os deuses esculpiram
na face da lua onde as noites são límpidas
e transparentes como o sonho dos amantes

Eis a palavra que perdeu a memória
e da viagem por todo o universo, ela sente
o afiar dos espinhos que os dedos cobiçam
porque é no sangue derramado
que a palavra se solta
escrevendo o poema num grito do coração…




Pintura de Victor Ribeiro

11 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
solto o grito
nos espinhos da memória
universo de palavras
e das estrelas dos amantes
esculpidas pelo poeta
em espelhos derramadas,
,
conchinhas poéticas, deixo-te,
,
*

DE-PROPOSITO disse...

Eis a palavra que perdeu a memória
----------------
No entanto, por vezes, a palavra tem momentos de lucidez.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

Anónimo disse...

Casualmente aportei aqui. Um espaço acolhedor com uma otima musica. Palavras e imagens que apelam ao sonho. Permite-me uma palavra: blog deslumbrante.
Claudio

RESSACA disse...

Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

Miguel disse...

"A Palavra se solta escrevendo o poema num grito do coração ...!"

Excelente ...!

Bjks da M&M & Cª!

Graça Pires disse...

Solta-se a palavra, tão ansiosa de uma rua larga para deixar falar o coração...
Um beijo.

Paula Raposo disse...

Muitas vezes as palavras são ridículas...algumas vezes elas também ficam cravadas. Muitos beijos.

Isabel-F. disse...

parabéns pelo teu poema ...


é maravilhoso. adorei.



beijinhos e bom fim de semana

ángel disse...

Lllego por azar a tu espacio que agradezco tanto como este poema escritos desde otro grito del corazón.


saludos....

ZezinhoMota disse...

Lindo poema e imagem.

Boas férias.

Bjnhs

ZezinhoMota

JúliaML disse...

lindo, amiga!