sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Flores



Feitas de tantas formas graciosas,
- Das tulipas aos brincos-de-princesa -
Pétalas de veludo, como as rosas,
Ou dos jasmins a terna singeleza.

Tingidas de mil cores, são tão vistosas
Que os artistas lhes pintam a beleza;
Fragrâncias delicadas, preciosas,
São símbolos de afecto e de pureza.

Celebram os amores, decoram lares,
Ornamentam os deuses, nos altares,
Chegando a adornar até a morte!

A Sábia Natureza, no entanto,
Efémero criou todo este encanto,
Talvez lembrando a nossa própria sorte!

Soneto de João Oliveira

3 comentários:

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Sarava!


Até senti o perfume das flores!


beijoca

Maria Clarinda disse...

Maravilha este poema do João Oliveira!!!Mais uma vez obrigada pela partilha.
Jinhos

jorge vicente disse...

que bonito!!!

grande abraço
jorge vicente