sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Incipit


Pintura de Michael and Inessa Garmash


Conheces o intervalo do silêncio,
a subtileza de uma música.
A palavra amor ou a palavra livro.

Escrevo,
No rumor da manhã um nome mágico,
como uma rosa perdida no frio ou da neblina.
O teu, talvez recuperado à pressa
das águas.

Escrevo,
Um cântico cibernético,
cintilante na cicatriz dos ventos. A árvore
de silêncios e presságios.

Por que
reconheces uma flor no desenho velocíssimo de uma asa.
O mar da tranquilidade nos nossos ventos.

Conheces: os livros por dentro, a demora
da sua gestação. Os livros que removem ou crescem,
na lava e nos fermentos.

Quando cresce a palavra fluente encantada nas árvores,
quando crescemos nós nos livros. Esse pão ou fruto
de tinta permanente a cavalo do tempo seguinte.


(Poema de José Laurindo Leal de Góis*)



* Poeta e jornalista português, José Laurindo Leal de Góis, nasceu no Funchal, em 1954.
Iniciou-se no jornalismo radiofónico nos anos 73-75. Revelou-se como poeta no "Suplemento 2000" e na página "Letras & Artes" do Jornal da Madeira, fundado e dirigido por José António Gonçalves, vindo, por este, a ser inserido nos quatro volumes antológicos de poetas madeirenses: Ilha (1975), Ilha 2 (1979), Ilha 3 (1991) e Ilha 4 (1994). Colabora com textos ensaísticos na "Margem" e na "Islenha", depois de ter participado na extinta "Atlântico".
Em 2003, estreou-se em edição individual com o livro de poesia O Fogo e a Lágrima (Campo das Letras, 2003).
Está representado na antologia Poeti Contemporani dell'Isola di Madera, organizada e traduzida para italiano por Giampaolo Tonini (Centro Internazionale della Grafica de Venezia, 2001). (enviado por email)

11 comentários:

Lucinha disse...

Olá Rosa brava!! vc é brava mesmo?? rsrsrs.. olha fiquei imensamente feliz em recebe-la em sonhos e carinhos, coisa boa eu poder teclar e visitar pessoas daí do meu querido Portugal que amo tanto.... nossa não tem noção da minha felicidade, até pq eu pensava.."Poxa vou visitar pessoal de Portugal mas ninguem vai me conhecer", foi dando um desanimo, sabe como é né..mas hj qdo leio vc e venho até aqui em seu blog, a alegria foi imensa mesmo.. Posso linkar vc?? se puder me visite novamente, vamos nutrir essa amizade que começa a nascer.Receba meu award e minha amizade sincera... e espero logo ter mais contato com pessoal de Portugal...
beijos carinhosos...

Anónimo disse...

muito bonito ñ conhecia a imagem é tb linda
bijiños
Kátia

Lucinha disse...

Olá meu anjo, voltei novamente e estou algum tempo aqui escutando essa linda musica, e entre meus sonhos de carinhos encontrei uma Paz imensa... obrigada pela escolha dessa musica... um lindo domingo a vc... beijos carinhosos

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Sarava!

Bom momento...de pura arte;)

beijinhossssssssss

Vera disse...

Penso que não conheço este poema. Mas é muito belo!

Beijinhos

António disse...

Olá, minha querida!
Queres dar um saltinho ao meu blog
http://eusoulouco2.blogs.sapo.pt?
Obrigado!

Beijinhos

Paula Raposo disse...

Obrigada pela partilha de um autor que eu desconhecia. Um poema maravilhoso...beijos.

Hélder disse...

Muito bem escrito.Escorreito e suave.
Obrigado.

vida de vidro disse...

Belíssimo poema de um poeta que não conhecia. Descobres pérolas. :)**

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Sarava !

Tens desafio/prémio no meu blog!

beijinhosssssss

Å®t Øf £övë disse...

O silêncio, as palavras, a música e um bom livro, e estão reunidos os ingredientes essenciais para momentos bem passados.
Bjs.