domingo, 17 de agosto de 2008

De mim para ti


Pintura de Joop Frohwein


Naquela nuvem, naquela,
mando-te meu pensamento:
que Deus se ocupe do vento.

Os sonhos foram sonhados,
e o padecimento aceito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Imensos jardins da insónia,
de um olhar de despedida
deram flor por toda a vida.

Ai de mim que sobrevivo
sem o coração no peito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Longe, longe, atrás do oceano
que nos meus olhos se aleita,
entre pálpebras de areia...

Longe, longe... Deus te guarde
sobre o seu lado direito,
como eu te guardava do outro,
noite e dia, Amor-Perfeito.


Cecilia Meireles in Amor Perfeito

13 comentários:

Anónimo disse...

sou a tânea e tenho 16 anos teu refugio é um encanto e gostei muito muito mesmo deste poema da nossa poeta de Tijuca de onde meu paizão é natural.
vou-te mandar um imailing a pedir a foto pra me mandares de resposta pra um trabalho que quero fazer lá pró colégio ok?
milhões de beijos da tânea

Clarinda Galante disse...

Adorei este poema da Cecília que não conhecia!!!Obrigada mais uma vez por me fazeres conhecer coisas lindas de que é exemplo este poema!!;) Jinhos mil
Adorei a pintura que escolheste e a musica!

Clarinda Galante disse...

Adorei este poema da Cecília que não conhecia!!!Obrigada mais uma vez por me fazeres conhecer coisas lindas de que é exemplo este poema!!;) Jinhos mil
Adorei a pintura que escolheste e a musica!

heretico disse...

beijo.

excelentes escolhas as tuas. sempre. gostei muito.

Paula Raposo disse...

Muito bonito poema, que não conhecia! Obrigada. Beijos.

Cymbron disse...

As saudades que tinha de te visitar!
Como estás?
Jinhos

Hélder disse...

Excelente escolha. Muito belo.

Graça Pires disse...

Não conhecia este poema de Cecília Meireles. Obrigada pela partilha. Um beijo Menina.

Anónimo disse...

Uma boa escolha mas prefiro as tuas próprias palavras. A música mais uma vez de grande quailidade.
Beijinhos ternos do
AC

Pan disse...

Bons tempos poéticos. :)

De Amor e de Terra disse...

Olá minha querida, bom dia!
Como vem sendo hábito nestes últimos tempos, continuo desaparecida;Obrigada Amiga por esta prenda; considero Cecilia Meireles uma das maiores (talvez a maior) da Língua Portuguesa.
E este poema é um mimo.

Beijos

Maria Mamede

elvira carvalho disse...

Úm poema muito bonito, como quase tudo o que a Cecília escreveu.
E a foto está linda

Maria Clarinda disse...

Obrigada pelo carinho!!!!De lá mandar-te-ei no sibilar do vento um beijo de ternura.Jhs