quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Era novembro


Almada Negreiros daqui




Pelo lado interior do tempo
assinalo, com traços de luz,
a cidade litoral onde nasci,
rente à fragilidade do outono.
Era novembro
e uma estranha sede
pairava sobre a terra,
ávida de líquidas paisagens,
quando minha mãe
me tomou nos braços
e disse: esta é a minha filha.
O seu corpo doía de tanta comoção.



Poema de Graça Pires, que aqui transcrevo com um grande abraço de parabéns pelo seu Aniversário

7 comentários:

Adalberto Mota disse...

cheguei aqui através da página dum amigo e gostei muito. vou voltar.
Parabéns à aniversariante autora do poema que muito aprecio.
Beijão
AM

herético disse...

um poema muito belo. e uma bela homenagem.

Paula Raposo disse...

Parabéns atrasados! Um poema comovente de maternidade.

Anónimo disse...

mt interessante o blogue. n conhecia.

deixo uma dica de um autor novo que merece ser divulgado:

www.tiagonene.pt.vu

Patsy

Anónimo disse...

mt interessante o blogue. n conhecia.

deixo uma dica de um autor novo que merece ser divulgado:

www.tiagonene.pt.vu

Bi.

Fuser disse...

menina

tudo tao lindo.

beijos

Fuser

Fuser disse...

Menina

Vem ouvir Amália cantando Gershwin.
É imperdível.

Beijos

Fuser