sábado, 12 de janeiro de 2013

Não se perdeu nenhuma coisa em mim

Pintura de Sevim Yılmaz

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

Poema de Sophia de Mello Breyner Andresen

4 comentários:

Anónimo disse...

É a SOFIA em toda a sua lucidez e inspiração poética.
É desta poesia que todos precisamos.
Parabém à Otília

Carlos Ferreira

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Embora não saiba criticar poesia, sei, porque o sinto, que Sofia foi uma das nossas melhores poetisas

Amita disse...

Excelente escolha deste poema da grande Sofia.
Parabéns (duplos, claro) :)
Um bjinho e uma flor

Jânio Fagundes disse...

Sofia merece todo a nossa lembrança e reverência!

Com certeza os poemas são maravilhosos...

Obrigado por compartilhar conosco.

Jânio