terça-feira, 4 de setembro de 2012

"o silêncio e as palavras"

Pintura de Brenda Burke


Percorro, passo a passo,
os sulcos dos migradores
de sonhos.
Reaprendo o ritual
dos presságios
para atravessar a noite,
deslumbrada e breve.
Posso, assim, iludir os gestos
mais suspeitos e escutar
o silêncio e as palavras
mutuamente se inquirindo.

Poema de
Graça Pires
in “Uma extensa mancha de sonhos”, pág.48

3 comentários:

Jaime A. disse...

Os rituais que se reaprendem, o silêncio, o silêncio sempre. Porque será que hoje há tanto medo do silêncio?
Adorei este poema tão comedido e que diz tanto.
Boa semana

mfc disse...

Continua a sonhar dessa forma linda e recolhe em ti todos esses sonhos...
Beijinhos.

© Piedade Araújo Sol disse...

a Graça escreve muito bem, este poema não foge à regra.

um beij