quarta-feira, 25 de abril de 2007

A quietude de um abraço


Antonio Canova aqui

Há falsos profetas a levante do destino.
É preciso fechar por dentro
as águas furtadas da sorte.
Emparedar os passos.
Não vá haver, por aí, interditos anjos,
a violentar-nos o andar.
Apenas o silêncio é comum às mãos
que acolhem todas as tempestades,
sem desviar os olhos da quietude de um abraço:
labirinto onde aceitamos ser felizes
sem qualquer condição.
Terra natal de todos os desejos.
Sudário das nossas solidões.

Poema de
Graça Pires

17 comentários:

Paula Raposo disse...

Como é importante um abraço! Beijos.

Margarida Rebelo disse...

Não é meu hábito comentar mas a poesia de Graça Pires é algo que me prende a alma. A imagem é fabulosa, com a sensibilidade e o bom gosto que te é adjacente.
É um prazer visitar-te.
Bjss
MR

A.S. disse...

Vim deixar-te um beijo, saudades e um cravo vermelho!!!

APC disse...

Aqui e ali, por isto e por aquilo, este poema diz-me demais. Aquém e além disso, infra e supra, está mesmo demais! :-)

António Silva disse...

Cara amiga deixei de realizar comentários por livre iniciativa.
Em primeiro lugar as minhas sentidas desculpas, mas se eu consegui com alguma dificuldade entrar e comentar outros blogues, penso que deveria ter outra consideração, nunca ofendi ninguém pessoalmente e não encontro explicação para os comentadores bloguistas deixarem de visitar o meu blogue. Diz o Povo e lá terá as suas razões quem com ferros mata com ferros morre ... foi precisamente isso que pretendi demonstrar durante este interregno, concluindo que devo um agradecimento sentido a ti pessoalmente e à tua amiga Poesia Portuguesa pelo empenho e força que me impulsionou à criação do meu blogue.
Quanto aos demais cheguei à conclusão que O Pensador não deve nada em especial a ninguém e prosseguirá o seu caminho solitariamente, pois a Amizade para mim só tem significado e sentido quando é realmente partilhada e infelizmente esta crítica profunda e sentida é direccionada a toda a Blogosfera e sinto-me triste, porque apenas poderei confiar em mim e nas minhas capacidades e qualidades, que felizmente nunca foram postas em causa. Por hoje fico-me por aqui, porque penso para bom entendedor meia palavra basta.

Paulo Sempre disse...

Uma sinfonia de anjos em melodias de abraços....É o sonho a comandar a vida...
Beijo
Paulo

Lumife disse...

Uma passagem para alegrar o espírito...

Beijos

Alexandre disse...

Sim, um abraço pode ser comparável a um labirinto, mas um labirinto bom, onde apetece estar e não encontrar a saída...

Beijinhos!!!

Carlos Ferreira disse...

A autora consegue manter, com a maior regularidade, quatro blogs.

Assemelham-se na sua essência e intenção, mas são todos diferentes na grafismo e na música de fundo, que nos enleia e envolve como a poesia que publica, muita dela da sua autoria.

Parabém pelo bom gosto, pela exoberância da sua produtividade e pela partilha que faz com os seus leitores (dos quais me reclamo dos mais fieis) de tantos e tão belos momentos de emotiva espiritualidade.

Carlos Ferreira

Vera disse...

Um abraço tem muitas vezes o dom de nos encher a alma!
Adorei a imagem!

*♥*´¯`*Beijinhos*´¯`*♥*

Azoriana disse...

Este blogue é lindo. Por isso, há um award à sua espera no meu blogue.
Visite-me e traga o "pensador" para aqui.

António Silva disse...

Hoje voltei para comentar a beleza, a frescura, a leveza e a sensualidade da Poesia de Graça Pires. Fabuloso e genial ... penso que os adereços estão bem seleccionados.
Um abraço de Amizade e até breve.
Continua na nossa presença e nunca te arrependerás, pois a Amizade é a maior conquista da Humanidade.

Muitas vezes é precioso o silêncio
como uma regra de ouro
que nos encanta como folha de louro
ao reconhecer o seu pedido.

A felicidade procura-se
pode aparecer como uma luz
que nos cativa e seduz
fortaleza, poder jamais ilude-se.

Repetições e repetições
podem ocultar reais decisões
pois argumentos não são conclusões
escutemos melhor as opiniões.

A minha capacidade mental
continua genial
prosseguindo celestial
culminando num original recital.

Maria Clarinda disse...

Continuo a viajar pelos teus blogs e a sentir esses momentossempre como especiais.
Adorei o poema e a imagem cxolocada.
Jhs grandes
Bom fim de semana

Daniel Aladiah disse...

Quão arredia do anjo andais... :)
Um beijo
Daniel

A.Mello-Alter disse...

Ui!!! O que eu vejo aqui em baixo!!
Vá de retro Satanás...

Anónimo disse...

BELO ESPAÇO DE CULTURA VIVA ONDE PENSO PODE CABER ESTE MEU SINGELO POEMA

A PERENIDADE DAS COISAS

Cantou uma só vez o rouxinol
Ao alvorecer
E tudo se suspendeu
Sem um querer.
Foi nesse curto espaço
Que vi ruir
O vigor, a sorte, oencanto.
Ó perene existir!

cumprimentos poéticos
MÁRIO MATTA E SILVA

Anónimo disse...

MÁRIO MATTA E SILVA

mattasilva.hp@gmail.com
http://noutratitude.blogspot.com/